29 de setembro de 2013

MTV 90 Pra Sempre - No Olho do Furação (2)

Esse mês vou atrasar em uma semana o texto sobre as efemérides de outubro, pois não podia deixar passar essa data triste pra mim e tantos outros amigos...

Na 5ª feira, dia 26/09, aconteceu a festa de despedida da MTV Brasil Abril. Foi muito bom rever um monte de gente que só tenho tido contato através do Facebook. Foi uma festa da nostalgia, claro. Não poderia ser diferente. Quem fez a MTV de 1990 a 1999 fez história.

Agora sim a MTV Brasil se foi. A que virá não fará nada do que foi feito nos anos 1990, nem terá produção própria, tudo terceirizado. Não virá para causar, mudar ou movimentar o mercado da cultura pop. Espero estar errado. Mas de tudo que li na imprensa e ouvi de pessoas tudo indica um início estranho.

O contexto também é outro. Certo é que a Abril devolve a marca MTV para a Viacom com ela em baixa, principalmente entre os jovens, seu público alvo.

Na televisão é péssimo que você tenha um programa que comece na sequência de um programa de fracasso, sem ibope. Além de dar ibope, o programa tem que recuperar o ibope. É essa a situação da MTV Brasil Viacom. MTV é sinônimo de vanguardismo e de cultura pop. A nova direção vai devolver isso à marca?

Fenômeno igual ao da MTV nos anos 1990 só mesmo o Pânico! quando estreou na Rede TV!, também quebrando paradigmas, reinventando linguagem e mudando o comportamento. Hoje, o que o Pânico! fez se vê até mesmo na poderosa Globo.

Acabei recentemente de ler “Como a Geração Sexo-Drogas-E-Rock’n’Roll Salvou Hollywood” e, tomada às devidas proporções, há semelhanças com a MTV dos 90. Eram duas turmas que faziam o que faziam por tesão, que trabalhavam com o que gostavam. A turma da MTV, da mesma forma como era feito com os filmes, botava o coração em cada programa, matéria, vinheta ou festa feita.

Estávamos no centro dos acontecimentos. Em termos de linguagem jovem e cultura pop não havia nada mais importante que a MTV, tudo chegava a nós. Todos os shows, todas as cenas, todas as bandas e artistas solo, todos os lançamentos de todas as gravadoras majors e independentes, todas as novidades. A MTV formava opinião. Todo mundo que tinha algo a mostrar ou a dizer queria a MTV, dos menores aos maiores nomes. Em São Paulo só quem tinha força parecida era a 89 FM, mas mesmo assim não como a MTV.

Experimentávamos pra valer, caíamos de cabeça em cada produção. Cada viagem internacional, seja para cobrir o VMA ou para qualquer outra produção, muitas vezes era uma grande aventura. Era inusitado para o artista internacional dar entrevista para a MTV Brasil. Nesse último mês de MTV Abril pudemos ver muita coisa de arquivo graças aos programas My MTV apresentados pelos antigos VJs. Não era nada normal assistir a uma entrevista com o Rolling Stones, David Bowie, U2, Metallica e Frank Zappa. Antes da MTV chegar ao Brasil onde poderíamos assistir a entrevistas como estas? No programa Fantástico da Globo??? O jeito de falar, de apresentar, as gírias, o texto, a forma de editar, captar, em tudo se experimentava.

Isso mostra que tudo (tudo!), até coisas que hoje parecem simples como uma entrevista, era novidade para quem via e fazia. Não tínhamos as preocupações da TV aberta, do ibope, dos compromissos comerciais. Tínhamos autonomia absoluta nos nossos programas. Eu experimentava tudo que podia, tanto na captação, quanto na edição. O pessoal que trabalhava no dep. de Promo, onde eram feitas todas as vinhetas gráficas, as aberturas, todo o visual da MTV, também experimentava ao extremo, usando desde as ferramentas mais modernas até o Super 8.

Muitos programas nem eram vistos pela chefia. Você simplesmente fazia, entregava e ia ao ar. Era prazeroso ir trabalhar. Como já disse aqui no Sete Doses de Cachaça, nada melhor do que ter que fazer um programa especial sobre Ramones, Metallica ou Nirvana, escrever textos sobre seus artistas favoritos, fazer pauta para entrevistar nomes que você admira desde o início da adolescência, isso era bom demais. As notícias que vinham de fora duravam mais, a velocidade das novidades era outra, mais lenta.

As transmissões ao vivo que aconteceram antes da MTV começar a fazer os programas ao vivo, eram grandes aventuras. Flashs ao vivo no Monsters of Rock, shows internacionais, Free Jazz, Dia Mundial de Combate à aids. Era muito bom fazer tudo isso.

O Thunder fazia o CEP MTV (a cada dia uma aventura), Gastão fez o “Gastão Redescobre o Brasil”, com viagens intermináveis pelo país, com estrutura mínima; Massari cobriu grandes festivais internacionais e nacionais; a Casa da Praia em 1993/94 e o MTV no Verão gravado no Rio em 1994/95; o primeiro VMB bancado pela coragem de André Vaisman (que, como chefe, na verdade bancou um monte de ideias loucas); os Acústicos; o Suor MTV. Era tudo feito na raça, com baixo orçamento e muita vontade. Éramos uma família. Criávamos juntos, no início ideias eram compartilhadas e discutidas por todos, nomes de programas, a logística.

A partir de 1999/2000 a MTV tomou uma nova direção, mudou o editorial e aconteceu o que aconteceu. Infelizmente, tudo o que aconteceu na Avenida Professor Alfonso Bovero 52 de 1990 até ao menos 1997, e que é muito difícil tentar expressar em palavras, não vai acontecer novamente.

Agora, pra essa turma que fez a MTV dos primeiros anos, que ajudou a fortificar a marca, fica a ressaca da nostalgia. Mas no bom sentido. Todo aquele pessoal se espalhou por todos os cantos, em jornais, produtoras, emissoras, agências de conteúdo, mas pela saudade, pelas boas histórias, enfim, pelas boas lembranças que todos carregam, fica claro que nenhum outro ambiente de trabalho foi ou será tão bom como na MTV dos 90.

Muitos livros poderiam ser escritos sobre essa MTV pioneira. Muitas histórias boas, muitas experiências que deram certo e muitas que deram errado. Mas fato é que a MTV Brasil Abril conquistou o público e deu certo em sua primeira década por conta da ousadia, das experimentações, da coragem e do vanguardismo.

Tenho muito orgulho de fazer parte dessa história.

Nenhum comentário: