28 de maio de 2009

Peu, o Selvagem da Noite

Descobri onde o guitarrista Peu (ex-Pitty e atual Nove Mil Anjos) começou a carreira! Foi no filme Warriors (aqui no Brasil Os Selvagens da Noite). Na segunda foto ele é o que está a frente na esquerda.


25 de maio de 2009

Quem é cabra macho?

Lula se preparou a vida inteira para ser presidente, ou seja, não fez nada além de comícios com frases de efeito e de fazer ode a ignorância.
Sempre disse que iria mudar o país se tivesse a chance. Quase oito anos com ele como presidente, não vi nada daquilo que sempre pregou. Vi sim roubalheira, corrupção, covardia e política suja. Lula e PT são iguais ou piores aos seus inimigos que já estiveram no poder. Ele por acaso teria essa coragem...


Odilon de Oliveira, de 56 anos, estende o colchonete no piso frio da sala, puxa o edredom e prepara-se para dormir ali mesmo, no chão, sob a vigilância de sete agentes federais fortemente armados. Oliveira é juiz federal em Ponta Porã, cidade de Mato Grosso do Sul na fronteira com o Paraguai e, jurado de morte pelo crime organizado, está morando no fórum da cidade. Só sai quando extremamente necessário, sob forte escolta. Em um ano, o juiz condenou 114 traficantes a penas, somadas, de 919 anos e 6 meses de cadeia, e ainda confiscou seus bens. Como os que pôs atrás das grades, ele perdeu a liberdade. 'A única diferença é que tenho a chave da minha prisão.'

Traficantes brasileiros que agem no Paraguai se dispõem a pagar US$ 300 mil para vê-lo morto. Desde junho do ano passado, quando o juiz assumiu a vara de Ponta Porã, porta de entrada da cocaína e da maconha distribuídas em grande parte do País, as organizações criminosas tiveram muitas baixas.Nos últimos 12 meses, sua vara foi a que mais condenou traficantes no País.

Oliveira confiscou ainda 12 fazendas, num total de 12.832 hectares, 3 mansões - uma, em Ponta Porã, avaliada em R$ 5,8 milhões - 3 apartamentos, 3 casas, dezenas de veículos e 3 aviões, tudo comprado com dinheiro das drogas. Por meio de telefonemas, cartas anônimas e avisos mandados por presos, Oliveira soube que estavam dispostos a comprar sua morte. 'Os agentes descobriram planos para me matar, inicialmente com oferta de US$100 mil.' No dia 26 de junho, o jornal paraguaio Lá Nación informou que a cotação do juiz no mercado do crime encomendado havia subido para US$ 300 mil. 'Estou valorizado', brincou.. Ele recebeu um carro com blindagem para tiros de fuzil AR-15 e passou a andar escoltado. Para preservar a família, mudou-se para o quartel do Exército e em seguida para um hotel. Há duas semanas, decidiu transformar o prédio do Fórum Federal em casa. 'No hotel, a escolta chamava muito a atenção e dava despesa para a PF.' É o único caso de juiz que vive confinado no Brasil. A sala de despachos de Oliveira virou quarto de dormir. No armário de madeira, antes abarrotado de processos, estão colchonete, roupas de cama e objetos de uso pessoal. O banheiro privativo ganhou chuveiro. A família - mulher, filho e duas filhas, que ia mudar para Ponta Porã, teve de continuar em Campo Grande. O juiz só vai para casa a cada 15 dias, com seguranças. Oliveira teve de abrir mão dos restaurantes e almoça um marmitex, comprado em locais estratégicos, porque o juiz já foi ameaçado de envenenamento. O jantar é feito ali mesmo. Entre um processo e outro, toma um suco ou come uma fruta. 'Sozinho, não me arrisco a sair nem na calçada.'

Uma sala de audiências virou dormitório, com três beliches e televisão. Quando o juiz precisa cortar o cabelo, veste colete à prova de bala e sai com a escolta. 'Estou aqui há um ano e nem conheço a cidade.' Na última ida a um shopping, foi abordado por um traficante. Os agentes tiveram de intervir. Hora extra. Azar do tráfico que o juiz tenha de ficar recluso. Acostumado a deitar cedo e levantar de madrugada, ele preenche o tempo com trabalho. De seu 'bunker', auxiliado por funcionários que trabalham até alta noite, vai disparando sentenças. Como a que condenou o mega traficante Erineu Domingos Soligo, o Pingo, a 26 anos e 4 meses de reclusão, mais multa de R$ 285 mil e o confisco de R$ 2,4 milhões resultantes de lavagem de dinheiro, além da perda de duas fazendas, dois terrenos e todo o gado. Carlos Pavão Espíndola foi condenado a 10 anos de prisão e multa de R$ 28,6 mil. Os irmãos , condenados respectivamente a 21 anos de reclusão e multa de R$78,5 mil e 16 anos de reclusão, mais multa de R$56 mil, perderam três fazendas. O mega traficante Carlos Alberto da Silva Duro pegou 11 anos, multa de R$82,3 mil e perdeu R$ 733 mil, três terrenos e uma caminhonete. Aldo José Marques Brandão pegou 27 anos, mais multa de R$ 272 mil, e teve confiscados R$ 875 mil e uma fazenda.

Doze réus foram extraditados do Paraguai a pedido do juiz, inclusive o 'rei da soja' no país vizinho, Odacir Antonio Dametto, e Sandro Mendonça do Nascimento, braço direito do traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar. 'As autoridades paraguaias passaram a colaborar porque estão vendo os criminosos serem condenados.' O juiz não se intimida com as ameaças e não se rende a apelos da família, que quer vê-lo longe desse barril de pólvora. Ele é titular de uma vara em Campo Grande e poderia ser transferido, mas acha 'dever de ofício' enfrentar o narcotráfico. 'Quem traz mais danos à sociedade é mega traficante. Não posso ignorar isso e prender só mulas (pequenos traficantes) em troca de dormir tranqüilo e andar sem segurança.'

23 de maio de 2009

Homenagem a Zé Rodrix

Não gostaria de fazer uma homenagem para Zé Rodrix sem antes apurar melhor sua carreira artística. Sou grande fã de sua música e sua criatividade. Algumas vezes o via perto de casa, fazendo caminhadas pela manhã. Nunca quis importuná-lo, massempre tive vontade. Grande figura, grande músico, grande criatividade.
Agora sim em homenagem à ele deixo aqui uma pequena lista sobre sua carreira. Se quiser copie e monte seu texto sobre Zé Rodrix.

Morreu em 22 de maio, a 00h45 e aos 61 anos, o compositor, cantor e multi-instrumentista José Rodrigues Trindade, mais conhecido como Zé Rodrix. Sem dúvida ele foi um dos músicos mais criativos de sua geração e começou a tocar nos anos 1960, aparecendo pela 1ª vez para o grande público em 1967 no III Festival de MPB da TV Record interpretando a música vencedora “Ponteio”, ao lado de Marília Medalha, Edu Lobo e o Quarteto Novo quando era integrante do grupo vocal Momento Quatro. Leia mais algumas passagens de sua vida profissional:

- Nasceu no RJ em 25 de novembro de 1947.
- Participou de “Onde os Anjos Não Ousam Pisar”, disco solo de Nasi.
- Chegou a tocar com Secos & Molhados no início da carreira do grupo.
- “Casa do Campo” ganhou o IV Festival de Juiz de Fora, que aconteceu em 1971.
- No início de carreira também estudou artes cênicas e trabalhou como ator.
- Estudou no Conservatório Musical do Rio de Janeiro e na Escola Nacional de Musica.
- Em 1967 lançou um compacto com o grupo Momento Quatro e nele gravou pela primeira vez uma música sua, chamada “Glória”.
- Foi um dos undadores do grupo Som Imaginário que acompanhou Milton Nascimento. Com o grupo gravou o primeiro disco.
- Compositor de trilhas para cinema, teatro, novela e publicidade. Ganhou diversos prêmios por suas trilhas.
- Em 1975 participou como ator e diretor musical da peça Rock Horror Show.
- 1º disco ‘I Acto’ lançado em 1973, logo após ter se saído do trio Sá, Rodrix & Guarabira.
- 2º disco ‘Quem Sabe Sabe e Quem Não Sabe Não Precisa Saber’ em 1974.
- 3º disco ‘Soy Latino Americano’ lançou em 1976 e ganhou Disco de Ouro.
- 4 disco ‘Quando Será’ lançado em 1977.
- 5º disco ‘Hora Extra’ de 1979.- Em 1983 com o Joelho de Porco lançou o disco ‘Saqueando a Cidade’.
- Em 1988 Joelho de Porco lançou ’18 Anos Sem Sucesso’.
- Em 2001 juntou-se novamente cxom Sá & Guarabira e lançou o disco ‘Outra Vez Na Estrada’.
- Alguns arttistas que já gravaram e interpretaram suas músicas: Celly Campelo, Elis Regina, Ronnie Von, Roupa Nova, Sérgio Reis, The Fevers, Zezé Di Camargo & Luciano, Magazine, Quarteto em Cy e Elza Soares.
- Era maçon e sobre a maçonaria lançou três livros que ficaram conhecidos como ‘A Trilogia do Templo’.
- Entre carreira solo e trabalhos com outros grupos lançou 15 discos entre 1968 e 2001.
- Entre seus parceiros em composições estão Tavito, Paulo Coelho, Jorge Amiden, além dos parceiros dos grupos por onde passou.
- Com Tico Terpins (Joelho de Porco) criou o estúdio de trilhas A Voz do Brasil.

(http://efemeridesrockbrasileiro.blogspot.com/)

17 de maio de 2009

RAPIDINHAS NO BANHEIRO DA BALADA


O contexto é comum para todos nós, pessoas normais - um grupo de amigos reunidos em um bar para conversar e matar saudades, beliscando algo nada saudável e bebendo “todas”.


Meninas fazem sua romaria, sempre em grupo, ao banheiro; Eterna dúvida masculina sobre esse fenômeno; Eu mesmo já ouvi inúmeras versões delas tentando justificar essa reunião privada (com o perdão do trocadilho). Meninos, por sua vez, são mais rápidos e práticos; Quase sempre fazem seu serviço solitários.


Outro dia desses, estávamos no bom e velho Quitandinha. Fui ao banheiro e, na versão “de pé”, notei que acima do dito mictório (nome sinistro ta aí, não?) havia um pôster que trazia curiosidades sobre o Chuck Norris, em especial acerca de sua suprema masculinidade... Claro que era um texto divertido – na verdade eram 7 frases curtas de cagar de rir (metaforicamente, apesar do local apropriado). Voltei à mesa e comentei com a galera; Dali pra frente todos nós, homens, ao visitar a 'casinha' voltávamos gargalhando.


E não é que alguém na mesa comentou que é tradicional há tempos essa ‘onda’ com o Chuck? E que essa fixação é mundial pra cima deste que é o ser mais “cabra-macho das galáxias”? E que há até uma hilária referência na versão cômica da Wikipédia em homenagem a ele?


Vide
http://desciclo.pedia.ws/wiki/Chuck_Norris que é garantia de riso rasgado. Lá, além das “verdades” que eu li inicialmente no pôster (e que transcrevo aqui abaixo) há outras centenas de fatos realmente engraçados. Tá duvidando? Basta entrar no link.

SETE VERDADES SOBRE CHUCK NORRIS


1. A visão de Chuck Norris é tão poderosa que ele consegue ver a própria nuca olhando para o horizonte.
2. Uma vez o amor encarou Chuck Norris. Desde então o amor é cego.
3. Chuck Norris fala braile.
4. Chuck Norris já foi homem-bomba. 13 vezes.
5. Uma vez Chuck Norris levou uma facada no olho. A faca ficou cega.
6. Chuck Norris e Superman apostaram uma queda de braço. O combinado foi que quem perdesse usaria a cueca por cima da calça pelo resto da vida.
7. Depois de assistir “O Chamado”, o telefone de Chuck Norris tocou e aconteceu um breve diálogo:
- Sete Dias
- Aqui é Chuck Norris
- Desculpe, foi engano

15 de maio de 2009

Reflexões (por causa do Coldplay)

- Em 2005 quando o celular se tornou definitivamente uma fonte de música, as gravadoras faturaram 1,1 bilhões de dólares. Foram mais de 420 milhões de faixas vendidas.
- Também em 2005 foram por volta de 3 milhões de pessoas que fizeram downloads pagos.
- Com os downloads ilegais as gravadoras poderiam ganhar 3 vezes mais do que ganham nesse mercado.
- Os CDs gravados em casa correspondem à bem mais do que 15% dos CDs oficiais vendidos.
- Em 2007 o mercado fonográfico brasileiro chegou a vender quase 25 milhões de reais. 185% a mais que em 2006. Imagine hoje o eu não deve ser.
- Em 2007, entre CDs e DVDs foram vendidos 312,5 milhões de reais. Pouco mais que 31 milhões de unidades.


Se as gravadoras já enchem o c... de dinheiro desse jeito, imagine se usassem a cabeça direito?

Madonna, Radiohead, U2, Metallica e agora o Coldplay são alguns dos maiores artistas do planeta que liberaram seus novos CDs para download gratuito.
Pergunto a você: qual dos grandes artistas brasileiros que já fez isso? Paralamas? Marisa Monte? Chico Buarque? Caetano? Charlie Brown? CPM22?

Pode ter algum, mas realmente não sei, não li nada. Tem a Trama que no
http://albumvirtual.trama.uol.com.br/ disponibilizou Ed Motta, CSS, Tom zé, Macaco Bong e agora da nova sensação Móveis Coloniais de Acaju. Merece uma menção honrosa. Ela é pioneira no Brasil. Download gratuito já está se tornando uma coisa obrigatória e as grandes corporações estão dormindo no meio da corrida. Executivos brasileiros, artistas brasileiros, acordem!

E tem outra coisa. Há DVDs musicais que compro e que custam de 12 a 19 reais. São DVDs de Red Hot Chili Peppers, The Clash, The Police, The Who, Stones, AC/DC, Queen entre tantos outros. Aí você vai na loja, passa o olho nos DVDs brasileiros tipo os que eu já citei e outros populares e é tudo 40, 50, 60 reais.

Já fui o otário que ficava na mão das gravadoras, dependente delas, e hoje eu quero mais é que todas elas continuem a sentir na pele o que é falta de respeito (melhor repensar o dep. de marketing). Por favor, não me venham falar em impostos. E não pense que os artistas estão imunes. Eles também tem culpa.

Já falei aqui do velho ditado “se não consegue vencer seu inimigo, junte-se a ele”. Em que mundo vivemos no qual a empresa considera o consumidor inimigo?

Download Coldplay
http://musica.uol.com.br/ultnot/2009/05/15/ult89u10633.jhtm
http://lrlrl.coldplay.com/leftright.html

Sites
- Warner não tem nada. No índice nem botão de download tem (mas tem notícia de Falcão (O Rappa) namorando no calçadão).
- EMI também não tem botão de download, só quando você clica na pádina do artista aparece lá o botão, mas nem todos tem download e mesmo assim são downloads de fotos e release do disco. Nada mais. Foto eu pego no Google. Release eu leio na imprensa (que trabalha na base do copy/paste).
- Sony/BMG não tem nada. O site é uma pobreza.

- Universal Music absolutamente nada.
- Som Livre também nada. Pelo menos ela mesma vende os downloads de música. Na Sony nem isso.
- Arsenal Music nadica de nada. Como a EMI só fotos e release.

14 de maio de 2009

Vin Diesel filho do Hulk???

Eu não perdia um episódio sequer de Hulk. Sempre achei o Vin Diesel muito parecido com o Hulk da televisão. Infelizmente não achei uma foto de fato comparável, mas vai essas...


9 de maio de 2009

Histórias da MTV: Termos em inglês



Cazé entrou para a MTV em 1993. No ar em 1994. Eu entrei em 1993 e comecei a dirigir programas no início de 1994. Primeiramente cobrindo férias dos diretores que já trabalhavam lá, depois consegui meus programas: Fúria Metal (depois só Fúria), Teleguiado, Na Chapa e outros especiais além de fazer transmissões ao vivo de eventos e festivais.

Quando Cazé chegou a MTV ele era uma espécie de hippie, era poeta e levava uma vida completamente alternativa. Para ele a língua oficial brasileira tinha que ser o Tupi Guarani.


No verão de 1994/1995 Cazé, Sabrina e Soninha foram para o Rio de Janeiro para fazer a programação de verão daquela temporada. Para cada apresentador havia um diretor. Nessa época Soninha ainda se desdobrava entre a coordenação de produção e o trabalho de VJ. Eu era o diretor de Cazé. Foram, acho eu, três meses de RJ indo e vindo toda semana. Morávamos na ponte aérea e no RJ sempre ficávamos no mesmo hotel. Cada diretor ficava no mesmo quarto com seu VJ (com exceção de Sabrina que não podia ficar no quarto com diretor homem, né?). Foi barra!

Barra porque tínhamos que conviver diariamente no trabalho, no hotel, no quarto, no avião, na gravação, no almoço...

Eu e Cazé gravávamos na parte da manhã. Acordávamos 05h00 da manhã para começarmos a gravar as 07h00 e íamos até 12h00, pois a equipe técnica tinha que almoçar e na seqüência gravava a tarde com Sabrina. Era ultra puxado. Eram dois programas por manhã num total de cinco a seis programas gravados em três dias. A logística era apertada, não havia tempo para respiro. Chegávamos na 1ª locação, gravávamos, terminava a gravação, entrávamos na Van, íamos para a próxima locação, Cazé trocava o figurino e já saíamos gravando. Depois tínhamos parte da tarde livre, mas íamos dormir muito cedo por causa de nosso horário. Não deu para aproveitar uma só noite carioca – e em pleno verão!

É óbvio que nesse pique, logo nosso gás acabou e a irritação estava a flor da pele. Qualquer coisa era motivo de discussão, cara fechada e mau humor. O bom disso tudo é que conheci um Rio de Janeiro que muito carioca sequer conhece.

Os textos dos programas já vinham prontos de SP e eram feitos, claro, pela equipe de redação. Muitas vezes eu e Cazé quebrávamos o pau por causa de termos em inglês que ele se recusava a falar. Tudo tinha que ser em português. De todas as discussões lembro de uma que falava sobre a Madonna e um making of que ela iria lançar. Cazé se recusou terminantemente a falar “making of” e eu tentava explicar a ele que esse termo era absolutamente comum e universal, que não tinha nada de americanização e sim de padronização.

Bem, ele se recusava a falar o termo e eu insistia para que falasse e assim não chegávamos a lugar nenhum, até que eu desisti e falei para ele que então trocasse o “making of” por “bastidores”, mas que ele estava sendo ridículo e infantil, pois trabalhava na MTV (êmitivi), um grupo americano, e que todos os termos técnicos eram palavras americanas e que se fosse dessa forma era melhor ele trabalhar em alguma estatal brasileira.

No fim, desisti de ensiná-lo a fazer da forma correta. Até então aquele universo de entretenimento e de música era desconhecido para ele e infelizmente sua “teimosia” não permitiu que eu o ensinasse a respeito de alguns costumes desse universo.
Só que o tempo passa, o mundo dá voltas...

PS: Depois disso ainda dirigi o Cazé por muitos anos tanto no Teleguiado quanto no revolucionário Na Chapa.

7 de maio de 2009

O CÔNCAVO E O CONVEXO


Passados alguns dias após a virada cultural que rolou em São Paulo, me sinto mais a vontade para fazer alguns comentários pontuais envolvendo duas das atrações do evento, rezando para que o centro da cidade, em linhas gerais, já tenha se recuperado dos maus tratos a que foi submetido...


Estava super animado para ver o show do Camisa de Vênus por várias razões: eu os considero uma das bandas mais importantes do (punk) rock brasileiro; sempre admirei o lado debochado deles de compor e tocar (mal) suas músicas, além de ser solidário a essa marginalidade imposta a eles pelo mainstream; sou santista e show do Camisa por lá nos anos 80 era motivo de piração por toda a cidade; finalmente, porque sou grande amigo do baixista, Robério Santana.


Quando cheguei à Praça da República percebi que o show deles estava atrasado e que o clima por lá não era dos melhores (já tinham milhares de loucos bebendo e mijando por todo lado); como eu estava querendo mesmo rodar pelos outros palcos da área, me permiti radicalizar e ir ao Largo do Arouche para assistir o show do Wando. (sim, ele mesmo: o Obsceno)


E o contraste foi imediato, pois apesar de também haver muita gente ansiosa para ouvir o ‘Rei das Calcinhas’, havia ordem e respeito à frente do palco; Wando surge e em pouco mais de uma hora de show coloca todo mundo pra dançar e cantar, além de hipnotizar a mulherada, que, em bom número, lhe jogava suas peças íntimas, em sinal de pura devoção; ele, por sua vez, agradecia cheirando uma a uma, fazia os comentários mais cafonas do mundo para depois guardá-las, todas, com carinho. Cenas absolutamente surreais, aliás.


Popular e carismático, ele cantou pérolas do tipo “quando a gente se engata debaixo dos lençóis, ai que coisa gostosa, a gente é que nem dois caracóis”. E para quem (como eu) pensava não conhecer o seu trabalho, se enganou por bem pouco tempo, pois seus vários sucessos surgiam na nossa memória como que por encanto, maldição ou mesmo pelas remotas lembranças do radinho de pilha da cozinha lá de nossas casas...


O tempo passou rápido e ao final, ao som de “você é luz, é raio, estrela e luar, manhã de sol”, feliz da vida eu me mandei para a República e para as minhas ‘origens’.


E, no curto caminho de volta, tristemente constatei que o caos já estava por lá: muito mais gente insana reunida, um odor insuportável no ar e todos os indícios de que mais confusão estava por vir. Temi até por minha própria segurança. Minha sorte foi ter outro bom amigo, Ricardo “Velhinho”, morador de um belo apartamento junto à Praça que me acolheu em sua festa particular. Lá do alto é que pude ter a real noção da massa humana espalhada se divertindo (se é que aquilo pode ser chamado de diversão).


Lamentei bastante, porque ouvir à distância (e não ver os caras levando no palco) clássicos como O Adventista, Eu não matei Joana D´Arc, Bete Morreu, entre outras tantas, foi frustrante mesmo...


Curioso o comportamento humano. Como o poder da música é capaz de afetar as pessoas – Enquanto Wando cantava “Te levo pro mato, pra rede ou pro quarto, te arranho de amor” corria tudo bem e o povo brindava a harmonia. Quando o Camisa de Vênus berrava “Não vai haver amor nesse mundo nunca mais” reinava em mim o medo de sofrer uma agressão gratuita pelas costas por estar lá embaixo.


Foi-se o tempo em que podíamos expressar livremente em praça pública nossas preferências musicais. Seria isso ‘sinal dos tempos’ ou somente falta de planejamento e organização? Talvez seja o caso de botar a culpa na Silvia Piranha...

4 de maio de 2009

Pilantragem no Congresso (faça sua parte!)

Quero falar de política e nem sei por onde começar. É tanta sacanagem, marmotagem e pilantragem que fica difícil escolher o primeiro tema.

A idade do Brasil é de, mais ou menos, 9 ou 10 anos. Manja aquela fase da vida que você sabe que está fazendo coisa errada, mas não mede e não imagina as conseqüências? Pois é, no nosso país é assim...


Democracia não é roubo. É pensar no coletivo de forma coletiva. Tanta gente lutou pela volta da democracia e muitas delas hoje aproveitam dela em benefício próprio, é um circo.
Em outros tempos e em um lugar mais sério, todos que usam e usaram o dinheiro público de forma errada já estariam cassados e presos sem direito a nada, e tendo que devolver TUDO.
Bem, pra começar não deveriam tomar posse aqueles eleitos que tem algum tipo de processo nas costas. Assim provavelmente 80% dos parlamentares não estariam “trabalhando” para o país.

1º) O que me choca, e muito, é ver a máfia do PT e seus comparsas de outros partidos usando o delicado câncer de Dilma para favorecê-la na eleição presidencial de 2010. Isso ratifica o que todos já estão cansados de saber: nesse universo é só pilantra mau caráter. Mas tem um pior: ao que me parece, a própria Dilma é favorável a isso. SE EU FOSSE ELA na coletiva de imprensa já teria dito: “a partir desse momento me retiro da vida pública, vou cuidar da minha saúde, me tratar da melhor forma possível e ficar ao lado dos que me amam. Terminanda essa etapa, que tenho certeza de vencer, pensarei em meu futuro.”

2º) Após a descoberta da farra das passagens aéreas, agora o Ministério Público irá investigar os gastos dos deputados federais. Todos sabem que há funcionários fantasmas que servem para dar mais dinheiro para os parlamentares; há casos de deputados que ficam com parte do salário dos assessores; mas não são usadas apenas essas formas de roubar dinheiro público, nos menores detalhes também há furto do nosso dinheiro, até mesmo com verba de material de escritório, telefone, refeição, diária, e os zilhões de auxílios que existem.
Pra mim, não deve ter auxílio de nada. Todas as contas são pagas pela casa, com um limite máximo de gasto e bônus para quem gastar menos. Passagem são duas: uma no início do mandato e outra no final. Se quiser voltar pra casa para descansar, será de seu próprio bolso. Se for para trabalho, a atividade terá que ser provada e documentada. Além da obrigação de ser de interesse público. Caso seja pessoal ou partidário, no primeiro caso paga-se do próprio bolso e no segundo o partido arca com as despesas.
Se quiser fazer com que ninguém roube e trabalhe de fato, é fácil: basta querer.

3º) Por causa dessa investigação, o congresso irá atrasar a votação de aumento de salário para alguns setores, entre eles está o Ministério Público. É mole?

4º) O ano começou há cinco meses e até agora o congresso não votou nada relevante. Não discutiu nada relevante e não dá sinais de que isso mudará. Cadê a reforma trabalhista? Cadê a reforma da previdência? Onde estão as reformas todas????????????????

5º) Deveria acabar de vez com esse negócio de reeleição e qualquer parlamentar, após seu mandato, deveria ser obrigado a ficar 8 anos afastado de qualquer cargo público. Todos eles deveriam ser obrigados a usar o SUS e somente o SUS. Imagina a Dilma tratando seu câncer linfático pelo SUS que sequer disponibiliza o remédio necessário para o tratamento.


Faça a sua parte, fique no pé, encha o saco, seja chato, o verdadeiro pentelho:
Sugestões, reclamações, pedidos...
(por favor dê copy / paste nessas informações, publique em seu blog, no orkut e em todos os lugares possíveis)

Câmara dos Deputados
Disque Câmara - 0800 619619
http://www2.camara.gov.br/
http://www2.camara.gov.br/deputados


Senado Federal
Alô Senado – 0800 612211
http://www.senado.gov.br/sf/


http://www.senado.gov.br/sf/senadores/senadores_atual.asp?o=1&u=*&p=*

adelmir.santana@senador.gov.br, almeida.lima@senador.gov.br, mercadante@senador.gov.br, alvarodias@senador.gov.br, acmjr@senador.gov.br, antval@senador.gov.br, arthur.virgilio@senador.gov.br, augusto.botelho@senador.gov.br, cesarborges@senador.gov.br, cicero.lucena@senador.gov.br, cristovam@senador.gov.br, delcidio.amaral@senador.gov.br, demostenes.torres@senador.gov.br, eduardo.azeredo@senador.gov.br, eduardo.suplicy@senador.gov.br, efraim.morais@senador.gov.br, eliseuresende@senador.gov.br, ecafeteira@senador.gov.br, expedito.junior@senador.gov.br, fatima.cleide@senadora.gov.br, fernando.collor@senador.gov.br, flavioarns@senador.gov.br, flexaribeiro@senador.gov.br, francisco.dornelles@senador.gov.br, garibaldi.alves@senador.gov.br, geraldo.mesquita@senador.gov.br, gecamata@senador.gov.br, gilberto.goellner@senador.gov.br, gilvamborges@senador.gov.br, gim.argello@senador.gov.br, heraclito.fortes@senador.gov.br, ideli.salvatti@senadora.gov.br, inacioarruda@senador.gov.br, jarbas.vasconcelos@senador.gov.br, jayme.campos@senador.gov.br, jefferson.praia@senador.gov.br, joaodurval@senador.gov.br, joaopedro@senador.gov.br, joaoribeiro@senador.gov.br, jtenorio@senador.gov.br, j.v.claudino@senador.gov.br, jose.agripino@senador.gov.br, josenery@senador.gov.br, sarney@senador.gov.br, katia.abreu@senadora.gov.br, leomar@senador.gov.br, lobaofilho@senador.gov.br, lucia.vania@senadora.gov.br, magnomalta@senador.gov.br, maosanta@senador.gov.br, crivella@senador.gov.br, marco.maciel@senador.gov.br, marconi.perillo@senador.gov.br, maria.carmo@senadora.gov.br, rosalba.ciarlini@senadora.gov.br, romeu.tuma@senador.gov.br, romero.juca@senador.gov.br, webmaster.secs@senado.gov.br, renatoc@senador.gov.br, renan.calheiros@senador.gov.br, raimundocolombo@senador.gov.br, simon@senador.gov.br, paulopaim@senador.gov.br, paulo.duque@senador.gov.br, patricia@senadora.gov.br, papaleo@senador.gov.br, osmardias@senador.gov.br, neutodeconto@senador.gov.br, mozarildo@senador.gov.br, marisa.serrano@senadora.gov.br, mario.couto@senador.gov.br, marinasi@senado.gov.br, sergio.guerra@senador.gov.br, zambiasi@senador.gov.br, serys@senadora.gov.br, tasso.jereissati@senador.gov.br, tiao.viana@senador.gov.br, valdir.raupp@senador.gov.br, valterpereira@senador.gov.br, wellington.salgado@senador.gov.br