25 de fevereiro de 2009

Mais do Mesmo

Ontem (3ª de carnaval) saiu notícia sobre a bronca que Robert Smith (The Cure) deu no Radiohead e nas gravadoras.
Adoro Cure. Adorar é pouco. Pra mim é uma das que mais ouço ao lado de Clash e poucas outras que não saem do meu IPod. (4:13 Dream é um primor).


Apesar disso, acho que Smith deu bola fora. Daquelas que você está de frente para o gol, na marca de pênalti e chuta tão errado que a bola sai pela linha lateral, manja?


Pô, ele reclamou da iniciativa do Radiohead em postar todas as músicas novas e deixar para os fãs a quantia que gostariam de pagar. Certíssimo, afinal todo mundo gosta de música, da classe ‘A’ até a ‘E’, portanto, cada um paga o que pode, se puder.

Há tempos baixar músicas deixou de ser novidade e se estabeleceu definitivamente no mercado. Não é pirataria. É o mesmo que gravar uma fita cassete. Tinha gente que era contra, mas não tinha jeito. Hoje, ao invés de guardarmos as fitas em cases ou gavetas, guardamos o mp3 em nosso computador e eu nem preciso ir à casa de ninguém para copiar.

Hoje também vemos o quanto é desnecessário comprar músicas. Com a facilidade que se tem para escutar música, pra que comprá-la? A gente compra o show. O barato é ver o artista ao vivo e saber cantar as músicas que ele irá tocar. Ajudar o artista é isso: exigir o show dele e pagar pra isso. As multinacionais que morram. Nem o artista precisa mais delas.

Antigamente era legal esperar o novo lançamento do Talking Heads, Clash ou Dead Kennedys. Pegar o disco e escutá-lo com o a capa e o encarte em mãos. Mas isso já passou, como passou os bons tempos da novela de rádio e os domingos de sol nadando no rio Tietê. Já dei muito dinheiro para gravadoras e fui muito enganado por elas. Abra mão dos 10.000.000% de lucro e pense mais no consumidor. Vai até o Congresso exigir a queda dos impostos. Contrate gente inteligente. Faça um produto mais atraente, crie promoções e prêmios para quem comprar. Mexam-se!!!

Me admira o atraso na declaração de Robert Smith, justo ele que foi um visionário, compositor, cantor e guitarrista de mão cheia. Parece o tonto do Lars Ulrich. É triste isso. É que eu já tenho tudo do Cure, porque senão, de raiva, eu iria baixar algo da banda.

2 comentários:

Renato Nunes disse...

Pô, não sabia que esse blog tava reativado. Já tá lá no blogroll!

Abrax

Paulo Marchetti disse...

Este é um blógi muderníssimo, que não é atualizado diariamente... hehe