15 de abril de 2013

Itaú o Banco Moderno


São 12h04 de um dia qualquer em abril de 2013. O cliente entra no banco Itaú, se dirige a mesa de informações e pergunta ao atendente:

Cliente: “Oi. Por favor, preciso do meu informe de rendimentos para o Imposto de Renda”.
Atendente: “Claro, pois não. Tiro pra você já”.

Assim que termina de falar o cliente passa o cartão para o atendente que, na mesma hora que pega o cartão, diz:

Atendente: “Putz. É conta empresa, né? Melhor falar com o gerente X que ele tira pra você”.
Cliente: “Eu só preciso saber o meu saldo em 31 de dezembro de 2012. Você não consegue ver no seu sistema?”
Atendente: “Por aqui não. Fala com o gerente X. Ele está ali”.

O cliente agradece sem entender como o atendente de um banco que se diz  ultra mega moderno não consegue ver um simples saldo, e se dirige a mesa do gerente X. Chegando encontra com o gerente saindo do banheiro:

Cliente: “Olá. O atendente disse que você poderá me ajudar com meu informe de rendimento. Eu só preciso do meu saldo em 31/12/2012”.
Gerente X: “Putz amigo, eu já bati meu ponto para o almoço. Por favor, fala com a gerente Z naquela mesa ali”.

O cliente não só agradece como se desculpa por atrapalhar o gerente X em sua hora de almoço. A gerente Z está atendendo alguém e o cliente se senta em uma poltrona para aguardar sua vez. É hora do almoço, hora em que muita gente aproveita para resolver problemas, mas o banco Itaú, trilionário e ultra mega moderno, está às moscas de funcionários. O cliente olha para o lado e vê a fila dos caixas aumentando e outros clientes chegando para falar com o gerente Z, o único presente no local.

Não por acaso o cliente lembra da propaganda engraçadinha do Itaú com o bebezinho que rasga o papel. Lembra da assinatura da propaganda que dizia que o banco Itaú é ultra mega moderno e que não precisa de papel. O cliente também se lembra que o Itaú se orgulha de ser considerado um banco que luta pela sustentabilidade e mais uma vez se pergunta que merda isso significa para ele e os demais clientes do Itaú. O cliente se pergunta : “será que vão aumentar as tarifas por causa disso” e ri sozinho. Lembra de quando teve que trocar de cartão e que foi obrigado a levar pra casa quatro papeis inúteis impressos pelo Itaú, mesmo pedindo para que eles não fossem impressos. “Pra que todo esse papel, moça?”. “É o comprovante de que você retirou o cartão”. “Mas eu não preciso disso. Vamos economizar papel!”. “Não dá. Eu preciso te dar esses papeis”. Aí o cliente pensou que o banco Itaú, além de ser trilionário e se dizer ultra mega moderno, é também mentiroso e usa a voz do dono pra isso!

Depois de pouco mais de dez minutos gerente Z fica disponível, o cliente se aproxima e se senta:
Cliente: “Oi. Por favor, preciso do meu informe de rendimento para o IR. Você pode tirar pra mim? Na verdade eu só preciso saber do saldo em 31/12/2012. Você pode ver isso pra mim?”
A gerente Z pega o cartão do cliente e acessa uma tela de seu computador:

Gerente Z: “Olha, não sei se consigo tirar pra você. Preciso ver aqui. Ah! A conta não é dessa agência, né?”.
Cliente: “Não”.
Gerente Z: “Ih. Não vai dar. Não tenho acesso”.
Cliente: “Mas você não é gerente de conta jurídica? Você não consegue nem ver meu saldo em 31/12/2012?”.
Gerente Z: “Não consigo fazer nada daqui. Você pode tentar pela internet ou ligar para o seu gerente”.
Cliente: “Mas você não consegue me ajudar dentro de um banco que se diz tão ultra mega moderno? Eu entrei aqui para pegar um simples saldo de conta corrente e vou sair sem porque o próprio banco não consegue ver este saldo? Isso é ser banco ultra mega moderno? Que adianta ter um lucro gigantesco se não o aplica em melhorias?”.

O cliente, absurdamente insatisfeito, sai do banco Itaú, o mesmo que se diz ultra mega moderno e trilionário, e vai pra casa puto por ter que ligar para o gerente para pedir um mísero saldo. Mas como a gerente Z falou, há a possibilidade de pegar o informe de IR no site do banco.

O cliente chegando em casa ligou o computador e entrou no site do banco Itaú, que é trilionário e ultra mega moderno. Depois de passar pelas devidas páginas de segurança, o cliente acessa sua conta e procura por informe de rendimento. Ao clicar, automaticamente o site informa que a conta não tem informe de rendimento. O cliente diz pra ele mesmo: “Ok, então vou pegar meu saldo em 31/12/2012”. Ao pedir o saldo e/ou extrato do dia 31/12/2012, o site diz que não é possível informar movimentações além de 40 dias. O cliente lembra que o Itaú vende modernidade e lembra que também vende mentira. Ele respira fundo, vai até o armário da sala, e resolve revirar a pasta de documentos atrás do extratos consolidados que o moderno banco Itaú envia aos clientes por correio. Finalmente o cliente achou o que precisava: um simples saldo.

E conseguiu o saldo através de papeis que o Itaú diz lutar para acabar, para ser um banco digamos, sustentável. Imagine você se o cliente resolve cancelar o envio desses extratos consolidados. Como ele iria conseguir o saldo de 31/12/2012?

Para finalizar toda sua maratona o cliente, após anotar seu saldo de 31/12/2012, lê no envelope do extrato consolidado: Mude. Papel só no que vale a pena. Mude para digital. É mais simples, rápido e seguro.

Após ler este texto no envelope o cliente toca seu nariz para se certificar de que não está usando um nariz vermelho de palhaço.

PS: No mínimo 15% dos lucros obtidos pelos bancos deveriam ser aplicados em ações sociais. Quem é macho de propor isso no Congresso Nacional?

Um comentário:

Celso disse...

Não vai faltar macho pra propor que 15% sejam para ações sociais. É capaz de aparecer um super-macho e propor 30.
O problema é que vão querer tirar de nós, pobre contribuintes (sendo ou não correntista deste banco ultra-moderno) essa montanha de grana, via renúncia fiscal.